VARIAÇÕES SOBRE O CARNAVAL DE VENEZA

Project Info

Project Description

Variações sobre o Carnaval de Veneza
para clarinete solo e orquestra*
ou
clarinete solo e piano

* versões para: orquestra de plectro / orquestra de cordas / banda / ensemble de clarinetes

  • data de composição: 2019
  • duração: ca. 10 min.
  • encomenda: Orquestra Portuguesa de Guitarras e Bandolins
  • dedicatória: «Ao Horácio Ferreira, distinto artista, exímio clarinetista e querido amigo!»
  • estreia: 8/Setembro/2019 | Porto (Portugal), Casa da Música | Orquestra Portuguesa de Guitarras e Bandolins / Horácio Ferreira (clar.) / Hélder Magalhães (dir.)

Desde os meus tempos de jovem aprendiz clarinetista que o virtuosismo sempre me fascinou. A capacidade de exaltar o ouvinte com proezas técnico-musicais é algo que só está ao alcance de um punhado de artistas de topo, mas que deslumbra de modo idêntico ao das façanhas desportivas de certos atletas de elite. Esse virtuosismo é tipificado no nosso imaginário colectivo com personalidades como o fogoso Paganini ou o místico Liszt, que criaram algumas das mais exigentes obras solistas para os seus instrumentos (violino e piano, respectivamente). Mas também em outros instrumentos, nomeadamente de sopro, houve virtuosos-compositores que ficaram na história por nos legarem obras de grande brilhantismo técnico, até porque na Europa de meados do séc. XIX, a sociedade burguesa apreciava particularmente os saraus musicais com exibições de virtuosi. No caso do clarinete, destacaram-se, por exemplo, Ernesto Cavallini (1807–1874) em Itália ou Paul Jeanjean (1874–1928) em França. Em Portugal, José Avelino Canongia (1784–1842), o decano dos clarinetistas portugueses, também estabeleceu fama internacional como virtuoso, e compôs 4 concertos e dois temas e variações para o seu instrumento.

A forma musical predilecta para a exibição do virtuosismo foi sendo, frequentemente, o tema e variações, e de entre os temas predilectos para variar, o “Carnaval de Veneza” assume lugar de destaque. Na verdade, trata-se de uma canção tradicional napolitana, “Oh Mama, Mama Cara”, sobre a qual Niccolò Paganini escreveu em 1829 umas exigentes variações para violino e orquestra. Nas décadas seguintes vários lhe seguiram o exemplo, e surgiram variações virtuosísticas para os mais diversos instrumentos, desde o cornetim, ao trombone, a flauta, e até o contrabaixo, a guitarra ou a harpa. Para clarinete, tanto Jeanjean como Cavallini escreveram igualmente variações sobre o “Carnaval de Veneza”, no caso deste último, mais especificamente para a requinta, ou clarinete em Mib.

Em tempos, também eu ponderei escrever as minhas próprias Variações sobre o Carnaval de Veneza, e cheguei mesmo a acumular alguns rascunhos com esse intuito. O plano, na altura, acabou por não se materializar, mas quando em 2019 fui abordado para escrever uma obra concertante para clarinete solo e orquestra de plectro (guitarras e bandolins), a ideia do “Carnaval de Veneza” retornou e pareceu-me o momento ideal para (finalmente!) concretizar o antigo projecto. Concebida agora com o talento do clarinetista Horácio Ferreira em mente, e por encomenda da Orquestra Portuguesa de Guitarras e Bandolins, na pessoa do seu director artístico, António Vieira, a minha intenção foi criar uma peça que transportasse para o séc. XXI a novecentista exaltação do virtuosismo, mas de alguma forma modernizando-a. Obviamente, a minha formação como clarinetista teve também um papel fundamental na concepção da parte solista, tornando-a, espero, mais idiomática. No fundo, proponho-me revisitar uma forma antiga e tradicional, agora vista pelas lentes do séc. XXI.

Estas Variações são igualmente o meu contributo singelo para honrar a grande e vibrante classe dos clarinetistas portugueses, da qual faço parte com muito orgulho, e que com o contributo de todos tem granjeado enorme gabarito internacional. Bravi tutti quanti!  :-)

(Ago./2019)


comprar partitura / materiais:
contactar directamente o compositor aqui.

ver / ouvir:
[brevemente]

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.